Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Woman

por Miss. M, em 08.03.11

Há coisas que me fazem uma certa confusão no Carnaval que, apesar de ser uma altura para a malta "extravasar", não as consigo compreender.

Contudo, a festa do Carnaval é assim mesmo e serve para a malta se divertir, vestir uma fatiota diferente e voltar a "brincar ao faz de conta" outra vez.

Este ano deu-se a coincidência do Dia de Carnaval se ter juntado com o Dia da Mulher, mas não acho que o elevado número de homens que se mascaram de mulher que vi ontem à noite se deveu a este facto.

É o um clichê que verifica todos os anos, homens feitos, de porte forte e entroncados que nestes dias se transformam em "senhoras" exageradamente caracterizadas. 

Ele é saias, meias, tops, maminhas de borracha e maquilhagem digna de uma prostituta francesa dos anos 80. Para os mais afoitos há ainda a tentativa de calçarem o belo do sapato de salto e lá vão eles "lindos e fofos" brincar ao Carnaval.

Ok, eu sei que a roupa feminina tem muito mais piada do que a masculina, mas daí a haver tanto menino a optar pelo traje da matrafona nesta altura faz-me pensar no assunto. O que se passará naquelas cabeças? Será que a nossa roupa é assim tão exótica? Ou será que há aí muito menino que gosta de algo diferente, nem que seja só por um dia...? O que é certo é que esta onda do "travestismo carnavalesco" tem muito que se lhe diga.

Mas é Carnaval e estas coisas não são para serem levadas a mal!

E um Feliz dia da Mulher, a todas as mulheres lindas e maravilhosas e, já agora, a todos os homens que as respeitam, amam, cuidam, aturam e até....imitam!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08

Bitchness

por Miss. M, em 19.10.09

Não há que enganar, está no código genético feminino e quem diz que não é, nem um bocadinho, "cabrinha" de vez em quando está a mentir redondamente.

A "cabrice feminina" é algo que nasce logo connosco e vai-se apeffeiçoando ao longo dos anos. Mas depois, dependendo do feitio e educação de cada uma, vai-se reflectir na personalidade.

Este traço de personalidade pode ser apenas uma leve embirrância camuflada, uma pequena birra muito pontual, até ao estada mais grave da "cabrice aguda", onde esse feitio é tão vincado que nem as próprias mulheres que padecem desta faculdade acentuada se aguentam.

Nunca pensei muito nesse assunto, mas sempre tive a noção que por vezes o sexo feminino é capaz de ter um verdadeiro "génio do mal" disfarçado numa pele de cordeiro.

No outro dia, em conversa numa daquelas tertúlias femininas, chegámos a essa brilhante conclusão: que todas nós temos uma "cabrinha secreta" dentro de nós.

Não quero menosprezar os meninos, mas realmente eu tenho mais medo de uma mulher zangada do que de um homem furioso. O homem chateado grita e barafusta, mas depois da tempestade acaba por acalmar e perdoar mais facilmente, ou, nos casos mais graves, seguir em frente sem olhar para trás e esquecer os assuntos de vez. Quantas vezes eles andam à batatada e passado 1 hora já estão a beber cervejas juntos e a rir do assunto?!

As mulheres são um pouco diferentes, há as que chateiam, gritam e barafustam, acalmam com o passar do tempo, mas acabam por nunca esquecer e o motivo da "chateação" e à mais pequena lembrança voltam de novo à carga.

Mas as mais temíveis são aquelas que perante uma situação de stress, ficam com uma calma aparente, muito ao estilo "Eu?! Chateada por te teres embebedado e beijado aquela loira? Não..."; "Deixa lá, eu não me importo que não vás ao meu aniversário, afinal gostas tanto de ver o teu Benfica jogar..." ; "Que bonita a tua saia! Já a andava a namorar à séculos e agora tu compraste o último exemplar da loja, que era também o meu número e...em saldo! Estou muito feliz por ti!"

 Pois é, frases deste género ou vêm de uma alminha que irá directamente para o Céu sem passar pelo purgatório nem pagar portagens ou então tenham medo, muito medo, porque as expressões de calma e concordância nem sempre são assim tão verdadeiras.

Eu, que até sou assim a atirar para o calminho, já me vi muitas vezes em situações em que destilei muito veneno. Queremos dar sempre aqueles ar de "To nem aí pra isso!" Quando na verdade só nos apetece gritar e partir loiça toda no momento.

Por isso, quando  uma rapariga agir com uma calma aparente numa situação delicada, pensem sempre duas ou mais vezes, porque "What goes around, comes around!"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Posts mais comentados